+351 213 929 563

Missão, Visão e Valores

MISSÃO

A API nasce com um objetivo “amplo e universal: o de contribuir por todos os meios para a melhor solução do problema da educação em Portugal (…) começando pelo princípio: a infância” (Maria Ulrich, 1979, Bodas de Prata da ESEI Maria Ulrich)

Os Estatutos da API exprimem a sua missão:

  • Promover, facilitar e desenvolver o estudo e a divulgação dos modernos métodos pedagógicos e das técnicas educativas da infância e da adolescência em todos os meios que se interessem por estes assuntos
  • Criar e manter (…) escolas de Educadores da Infância, bem como outros cursos destinados à formação global de quem deseja dedicar-se à educação de crianças.
  • Criar e manter secções destinadas à educação de crianças de idade pré-escolar e escolar.
VISÃO

“Criar uma sociedade cada vez mais democrática, nos valores que a suportam e nas ações que a concretizam”. Pela formação de Educadores, Maria Ulrich chegaria então às crianças: “Nesta evolução, o mundo depende dos novos. Os novos são o que for a sua infância” (Maria Ulrich, 1954, in Vian, 2008, p.121)

Nas bodas de prata da Escola reafirma(-se) esta visão que move a ação quotidiana da API:

“A imensa ambição de construir um mundo novo, mais humano e mais habitável para a criança, pela criança e com a criança!” (Maria Ulrich, 1979, p.9)

VALORES
Viver é escolher. Escolhemos de acordo com os nossos valores.

Maria Ulrich, 1988

A API alicerça-se plenamente nos valores da sua Fundadora, Maria Ulrich, que defendeu uma filosofia humanista e cristã, particularmente traduzida na importância atribuída aos “primeiros anos de vida, ao valor da pessoa humana e à construção autónoma do ser como centro de atribuição de liberdade e responsabilidade” (Figueira, 1997, in Vian, 2008, p.124).

Maria Ulrich sublinha a importância de uma “construção interior assente naquela escala de valores que se aprende a apreciar afetivamente na infância, que se vai consciencializando à medida que crescemos e em que baseamos todo o nosso comportamento, a nossa maneira de ser e de reagir” (Maria Ulrich, 1961, in Vian, 2008, p.121).

 

Educar exige…
Responsabilidade e Participação

“A vida na Escola, além de preparar afetivamente e espiritualmente (…) prepara também para assumir responsabilidades. Antes de se falar em democracia já todo o clima ali [vivido] era verdadeiramente democrático, pela participação pedida e a cooperação em toda a vida da Escola” (Maria Ulrich, 1979)

“Responsabilidade de progresso pessoal e responsabilidade de progresso social, não são suas direções diversas ou porventura opostas, mas ao contrário complementares e solidárias” (Maria Ulrich, 1961)

Liberdade

“Liberdade de sermos nós mesmos na verticalidade da nossa integridade humana, liberdade de pensar por nós próprios, de tomarmos as nossas decisões e de respondermos pelos nossos atos na linha de consciência e de retidão perante os valores supremos que nos comandam”. (Maria Ulrich, 1969)

“A finalidade do Educador deve ser levar o educando a saber escolher e conduzir-se por si próprio, na máxima realização da sua personalidade, na atitude vertical de ser responsável e livre”. (Maria Ulrich, 1981)

Auto educação e reflexão

“Para educar é preciso revermos a nossa própria educação” (Maria Ulrich, 1979)

“A nossa escola procura formar profissionais competentes, que participem ativamente na sua auto-educação e intervenham ativa e positivamente na sociedade, porque toda a sociedade, toda a vida pública assenta no valor dos homens que a constituem – ou seja na sua mentalidade, nos seus princípios, na sua educação” (Maria Ulrich, 1973)